E depois da COVID-19?

Sequelas da doença e impactos na vida pessoal e no trabalho

A infeção por Sars-Cov-2 pode ter impactos significativos na qualidade de vida das pessoas, podendo dificultar o regresso à vida ativa e profissional. Conheça os principais impactos após infeção.

Cerca de um ano depois de a Organização Mundial da Saúde declarar a pandemia, o mundo regista mais de 116 milhões de pessoas infetadas e perto de 2,6 milhões mortes por COVID-19[1]. Em Portugal, quase 8% da população foi infetada pelo Sars-Cov-2, superando as 810 mil pessoas[2].

Depois da fase ativa da infeção, um número significativo de pessoas manifesta problemas continuados a vários níveis. Os resultados de investigação continuam a assumir incertezas quanto às implicações das sequelas na qualidade de vida dos ‘recuperados’ da COVID-19, mas também a indiciar benefícios da intervenção precoce e multidisciplinar no âmbito da reabilitação.

COVID-19: Impactos após infeção 

São vários os relatos de pessoas e profissionais de saúde que mencionam sequelas da doença COVID-19 que perduram para além da fase ativa da infeção por Sars-Cov-2, particularmente presentes nas pessoas que tiveram necessidade de internamento, mas também em casos de manifestação menos grave da doença.

Apesar da necessidade de serem desenvolvidos mais estudos sobre a duração das sequelas da doença COVID-19 e do seu impacto no desempenho profissional e na participação social das pessoas que contraíram a infeção, são frequentes as referências a impactos cognitivos, emocionais, comportamentais, físicos, sociais e profissionais.

Cognitivos

Impactos pós COVID-19: profissionais, cognitivos, emocionais, comportamentais, físicos, sociais, profissionais - ilustração

Dificuldades nos domínios

  • memória
  • atenção
  • concentração
  • processamento de informações
  • processo de tomada de decisão
  • funções executivas
Emocionais
  • alterações de humor
  • stresse
  • ansiedade
  • alterações do padrão do sono
  • dificuldades de regulação emocional
  • sentimentos de vulnerabilidade
  • sentimentos de falta de confiança e de desesperança
  • medo face ao futuro
Comportamentais
  • manifestações das perturbações do humor e da ansiedade
  • comportamentos aditivos
  • comportamentos de alienação
  • desconexão com a realidade
  • comportamentos agressivos
  • inconformismo
  • hipervalorização ou negligência com os autocuidados                                                                                                  Impactos pós COVID-19
  • medo de não ser capaz de tratar das responsabilidades habituais
Físicos
  • diminuição da resistência física e muscular
  • diminuição da capacidade respiratória
  • fadiga
  • dor crónica
  • problemas renais, cardíacos, gastrointestinais
  • problemas musculares e relacionados com o movimento
Sociais
  • perda de uma rotina diária previsível, segura e com um sentido de propósito
  • dificuldade na execução das atividades do dia a dia
  • redução do rendimento económico
  • estigma e isolamento sociais

Membros da família e cuidadores também podem sentir ansiedade e problemas de humor e sono.

Profissionais
  • absentismo elevado ou incapacidade temporária para o trabalho
  • risco de perda do emprego
  • insegurança quando às capacidades e competências exigidas para o pleno exercício profissional
  • dificuldades de adaptação no retorno ao trabalho

 

A resposta a estes impactos requer uma abordagem multidisciplinar. Para o regresso bem-sucedido à vida ativa e profissional, a frequência de um programa de reabilitação e reintegração profissional pode ser decisiva.

___________________

Referências:

[1] In.: https://covid19.who.int/ (consulta a 08/03/2021)

[2] In: https://covid19.min-saude.pt/relatorio-de-situacao/. A população residente em Portugal é de 10.295.909, segundo a página oficial do INE. (consultas a 08/03/2021)

J. Halpin et al., «Postdischarge symptoms and rehabilitation needs in survivors of COVID‐19 infection: A cross‐sectional evaluation», Journal of Medical Virology, Jul. 2020, doi: 10.1002/jmv.26368.

Sivan, S. Halpin, L. Hollingworth, N. Snook, K. Hickman, e I. J. Clifton,«Development of an Integrated Rehabilitation Pathway for Individuals Recovering from Covid-19 in the Community», Journal of Rehabilitation Medicine, vol. 52, n. 8, pp. 1–5, Ago. 2020, doi: 10.2340/16501977-2727.

Xiong et al., «Impact of COVID-19 pandemic on mental health in the general population: A systematic review», Journal of Affective Disorders, vol. 277, pp. 55–64, Dez. 2020, doi:10.1016/j.jad.2020.08.001.

T. Wade, «Rehabilitation after COVID-19: an evidence-based approach», Clinical Medicine, vol. 20, n. 4, pp. 359–365, Jul. 2020, doi: 10.7861/clinmed.2020-0353.

Gutenbrunner et al., «Why Rehabilitation must have priority during and after the COVID-19-pandemic: A position statement of the Global Rehabilitation Alliance», Journal of Rehabilitation Medicine, vol. 52, n. 7, p. jrm00081, Jul. 2020, doi: 10.2340/16501977-2713.

Artigos relacionados

Privacy Preferences
When you visit our website, it may store information through your browser from specific services, usually in form of cookies. Here you can change your privacy preferences. Please note that blocking some types of cookies may impact your experience on our website and the services we offer.