Ansiedade

A ansiedade faz parte de nós. Mas quando afeta o nosso desempenho e qualidade de vida, deve merecer a nossa atenção. Neste texto, explicamos o que é a ansiedade generalizada, em traços gerais.
Mulher a ver o seu próprio reflexo numa janela, com ar preocupado.

A ansiedade é uma resposta natural do ser humano perante as situações do dia a dia. É graças à ansiedade que é possível as pessoas fazerem tarefas banais, como se levantarem da cama e realizarem as atividades agendadas para o dia, ou tarefas mais complexas, como reagirem em situações com grande fonte de stresse ou perigo.

A ansiedade é necessária à sobrevivência de qualquer indivíduo, quando se apresenta como normal. No entanto, quando esta ansiedade:

  • é persistente e tipicamente desproporcional face à situação com que se depara;
  • está presentes em diversas áreas da vida;
  • é experienciada como muito difícil de controlar;

será necessário dedicar-lhe atenção e procurar apoio especializado, pois poderá tratar-se de Ansiedade Generalizada.

A Ansiedade Generalizada é assim designada por advir de diversas fontes, eventos,  circunstâncias ou situações, que não se apresentam como específicas e que desencadeiam na pessoa uma série de reações tanto a nível físico (por exemplo: suores, tremores, dores de barriga, coração acelerado, músculos tensos…), quanto a nível dos pensamentos (por exemplo: “não consigo”, “não sou capaz”) e comportamentos (por exemplo: evitar as situações que fazem surgir estas reações).

A preocupação é a característica principal da Ansiedade Generalizada, sendo que muitas pessoas podem identificar-se com a ideia de “preocupação”, mas vários estudos têm identificado as seguintes características na preocupação de pessoas com Ansiedade Generalizada (1).

  • É normalmente uma sucessão de pensamentos ou ideias.
  • É acompanhada por sentimentos de medo ou ansiedade.
  • Diz respeito a eventos futuros e catástrofe.
  • Interfere com a capacidade de pensar claramente.
  • É muito difícil de controlar.

Para além destas características, a preocupação foca-se, principalmente, em questões do dia a dia, mais tipicamente:

  • Problemas que possam surgir no futuro.
  • Perfecionismo e medo de falhar.
  • Medo de ser negativamente avaliado por outros.

As pessoas com Ansiedade Generalizada apresentam ainda, com alguma frequência, um tipo específico de preocupação, relacionado com a incapacidade de a pessoa controlar a sua preocupação (1), com pensamentos como:

  • “Não consigo controlar a minha preocupação.”
  • “A preocupação é má para mim.”
  • “A preocupação nunca vai acabar.”

Quando surgem estes pensamentos relacionados com a preocupação, eles são acompanhados do aumento dos sintomas relacionados com a Ansiedade Generalizada. Por outro lado, também acontece a algumas pessoas acreditarem que a sua preocupação pode ser útil e poderão pensar:

  • “Se eu me preocupar sobre o pior resultado possível, fico mais preparado para esse resultado.”
  • “Preocupar-me sobre um resultado vai impedir que ele aconteça.”
  • “Se eu parar de me preocupar e alguma coisa acontecer, eu serei o responsável.”

Estas crenças raramente são confirmadas, e também raramente são desafiadas, pelo que as pessoas continuam a preocupar-se com elas.

Se experienciar algum destes tipos de preocupação, é importante que os desafie, de forma a que seja capaz de deixar os processos de preocupação e as suas consequências negativas, isto é, o aumento da ansiedade. Para que seja possível este exercício, é relevante que seja capaz de identificar sinais de preocupações produtivas e não produtivas.

É um conjunto de questões que se dirigem para a solução de um problema que pode ser resolvido num curto espaço de tempo.

Envolve uma série de perguntas de “e se” sobre problemas sobre os quais não há controlo e que não podem ser resolvidos num curto espaço de tempo.

Se reconhece alguns destes sinais, procure apoio médico e/ou psicológico.

Se estiverem a ter impacto na sua vida profissional há já algum tempo, contacte-nos. O CRPG – Centro de Reabilitação Profissional de Gaia dispõe de soluções especializadas para apoiar a manutenção do emprego ou o retorno ao trabalho de pessoas que experienciam dificuldades ao nível da saúde mental.


(1) Andrews, G., Creamer, M., Crino, R., Page, A., Hunt, C. & Lampe, L. (2003). The treatment of anxiety disorders: Clinician guides and patient manuals. Cambridge University Press.

Artigos relacionados

Privacy Preferences
When you visit our website, it may store information through your browser from specific services, usually in form of cookies. Here you can change your privacy preferences. Please note that blocking some types of cookies may impact your experience on our website and the services we offer.